O jejum é uma das atividades mais espirituais que existe, praticada pela maioria das grandes religiões do mundo. Os judeus, muçulmanos, budistas, e hindus todos praticam o jejum, de uma forma ou outra. Mas quando o Senhor Jesus começou Seu ministério terrestre, Ele fez uma coisa esquisita, ou melhor, algo que Ele não fez chamou a atenção dos religiosos ao Seu redor. Ele não ensinou os Seus discípulos sobre o jejum.

Vamos ler esta história em Marcos capítulo 2, versículos 18 a 20:

Ora, os discípulos de João e os fariseus estavam jejuando. Foram e lhe perguntaram: Por que jejuam os discípulos de João e os dos fariseus, e não jejuam os teus discípulos?
Respondeu-lhes Jesus: Podem os convidados para o casamento jejuar enquanto está com eles o noivo? Enquanto têm consigo o noivo, não podem jejuar. Mas o tempo virá em que lhes será tirado o noivo, e naquele dia jejuarão.

Tanto os fariseus quanto os discípulos de João Batista estavam observando um dos jejuns praticados pelos Judeus, provavelmente um dos jejuns estabelecidos na Lei de Moisés. Mas Jesus e Seus discípulos não estavam participando nesta disciplina espiritual, então os fariseus e os discípulos de João foram juntos a tirar satisfação do Senhor Jesus.

A Sua resposta foi que ainda não estava na hora para Seus discípulos jejuar. Ele os comparou com os convidados para uma festa de casamento, e disse que, naquele momento, a coisa mais correta era para eles participaram naquela festa. Podem os convidados para o casamento jejuar enquanto o noivo está com eles?

Jesus explicou que haverá um dia quando Seus discípulos iriam jejuar – depois que o Noivo lhes foi tirado. Ele ainda usou a parábola do vinho novo e dos odres velhos para explicar que primeiro Ele precisava retirar toda a estrutura religiosa legalista dos Seus discípulos - a religiosidade dos Fariseus que, sim, até os discípulos de João ainda tiveram - antes de enchê-los com o vinho novo do Seu Espírito.

O que o Senhor Jesus estava estabelecendo aqui foi um princípio do Reino, que podemos chamar do "princípio do relacionamento e não do ritual". Quantas vezes nós fazemos coisas para o Senhor - até sacrifícios de algum tipo – em vez de simplesmente gastar tempo com Ele, desfrutando da "comunhão do Seu Espírito"1, da presença do Noivo?

Vemos este princípio na velha história de Marta e Maria. Marta estava fazendo muito para o Senhor Jesus – preparando uma refeição maravilhosa para Ele e Seus discípulos, enquanto Maria apenas "assentando-se aos pés de Jesus, ouvia a sua palavra"2. Mas quando Marta reclamou ao Senhor sobre a aparente preguiça da sua irmã, ela recebeu a resposta: "Marta, Marta, estás ansiosa e preocupada com muitas coisas, mas uma só é necessária. Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada"3.

Até o próprio jejum pode tomar o lugar da verdadeira comunhão com o Senhor Jesus. Devemos jejuar, sim, porque em Mateus 6:16 lemos "quando jejuardes" e não "se jejuastes", mas até o ato do jejum não deve tirar o foco da Pessoa do Senhor Jesus.

O que é, então, o propósito do jejum? Eu creio que o jejum é uma expressão de uma verdadeira paixão, uma busca intensa para a presença do Senhor Jesus, quando dizemos, como Jó, "as palavras da sua boca prezei mais do que o meu alimento"4.

O resultado desta busca é que nós O conhecemos mais perfeitamente, conhecendo o Seu infinito amor por nos. E à medida que nós conhecemos, verdadeiramente, o Seu amor, iremos também refletir e mostrar este amor às pessoas ao nosso redor. Se nossas práticas religiosas, e até o ato do jejum, não resultam em mais compaixão para com os perdidos, excluídos e oprimidos, elas são apenas rituais que faltam a verdadeira vida de Deus.

Em Isaías 58 nós lemos uma reclamação do Senhor contra Seu povo exatamente por este motivo, por causa dos seus jejuns religiosos!

Dizem: Por que jejuamos nós, e tu não atentas para isso? Por que afligimos as nossas almas, e tu não o sabes? Contudo no dia em que jejuais, prosseguis nas vossas empresas, e explorais todos os vossos trabalhadores. Para contendas e debates jejuais, e para ferirdes com o punho iníquo. Não jejueis como hoje, para fazer ouvir a vossa voz no alto.
É este o jejum que eu escolhi, que o homem um dia aflija a sua alma, incline a sua cabeça como o junco, e estenda debaixo de si saco e cinza? É isto o que chamas de jejum e dia aprazível ao Senhor?
Não é este o jejum que escolhi: Que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo, e que deixes livres os quebrantados, e despedaces todo jugo? Não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres desterrados? E, vendo o nu, o cubras, e não te escondas do teu próximo?
Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante da tua face, e a glória do Senhor será a tua retaguarda. Então clamarás, e o Senhor te responderá; gritarás, e ele dirá: Eis-me aqui. Se tirares do meio de ti o jugo, o estender do dedo, e o falar iniquamente, e se abrires a tua alma ao faminto, e fartares a alma aflita, então a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio-dia. O Senhor te guiará continuamente, e fartará a tua alma em lugares secos, e fortificará os teus ossos. Serás como um jardim regado, e como um manancial, cujas águas nunca faltam.
- Isaías 58:1 a 11

Neste desabafo de Deus contra a religiosidade do Seu povo, vemos o que é realmente importante aos Seus olhos. Ele não se importa com a autoflagelação, o sofrimento imposto apenas por fins religiosos, mas sim, Ele que ver a justiça, a compaixão, e a misericórdia fluindo através do Seu povo.

O Deus que "faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e envia chuva sobre justos e injustos" quer que nós aprendermos a agir mais e mais como Seus filhos5, revelando Seu infinito amor às pessoas ao nosso redor, principalmente aos oprimidos, esquecidos, e necessitados.

O Apóstolo João explicou que nosso amor por Deus deve se expressar em ações de compaixão para nosso próximo:

Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós. E devemos dar a nossa vida pelos irmãos. Quem tiver bens do mundo e, vendo o seu irmão necessitado, cerrar-lhe o seu coração, como estará nele o amor de Deus? Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade.
- 1 João 3:16-18

O verdadeiro amor de Deus, derramado "em nossos corações pelo Espírito Santo"6, se expressará através das nossas obras, o fruto da nossa fé. Tiago explicou que, mesmo sendo salvos pela fé e não pelas obras7, se a nossa fé não produzir as verdadeiras obras de Cristo, demonstrando o fruto do Seu Espírito em nós8, ela não é uma fé salvadora verdadeira, mas, sim, uma fé que já está morta!

Meus irmãos, que proveito há se alguém disser que tem fé, e não tiver obras? Pode essa fé salvá-lo? Se o irmão ou a irmã estiverem nus, e tiverem falta de mantimento cotidiano, e algum de vós lhes disser: Ide em paz; aquentai-vos e fartai-vos, mas não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito há nisso? Assim também a fé, se não tiver obras, é morta em si mesma.
- Tiago 2:14 a 17

Em Mateus capítulo 25, o Senhor Jesus contou a parábola dos bodes e as ovelhas no dia do juízo final. Essa parábola pode até parecer um pouco "esquisita", com se o Senhor Jesus estivesse falando que a salvação dependesse somente das nossas obras, portanto precisamos lê-la com atenção redobrada:

Quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos os santos anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória. Todas as nações se reunirão diante dele, e ele apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas.
Ele porá as ovelhas à sua direita e os bodes à sua esquerda. Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. Pois tive fome, e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; era forasteiro e me hospedastes; estava nu, e me vestistes; estive enfermo, e me visitastes; preso e fostes ver-me.
Então perguntarão os justos: Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer? ou com sede e te demos de beber? E quando te vimos forasteiro e te hospedamos? ou nu e te vestimos? E quando te vimos enfermo, ou preso e fomos ver-te?
Ao que lhes responderá o Rei: Em verdade vos digo que, quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.
Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos. Pois tive fome e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber; fui forasteiro e não me recolhestes; estive nu e não me vestistes; enfermo e preso e não me visitastes.
Então eles também lhe responderão: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou preso, e não te servimos? Então lhes responderá: Em verdade vos digo que, todas as vezes que o deixastes de fazer a um destes pequeninos, foi a mim que o deixastes de fazer. E irão estes para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna.
- Mateus 25:31 a 46

Nessa parábola nós temos dois tipos de pessoas: as ovelhas, ou "os justos", e os bodes, também chamados de "malditos" pelo próprio Senhor. Ambos são "crentes" - identificando-se como seguidores do Senhor Jesus - porque ambos O chamam de "Senhor" (versículos 37 e 44). Mas há uma grande diferença entre os dois povos. Nas palavras do cantor Keith Green, vemos que "a diferença entre as ovelhas e os bodes, consistia-se naquilo que eles fizeram, ou deixaram de fazer".

Mas, essa diferença é muito mais profunda do que apenas as obras que cada um praticava, ou não praticava. As obras foram o reflexo de uma atitude de coração, uma atitude que o Senhor Jesus capturou quando Ele falou, "quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes" (versículo 40). A diferença foi que os justos não se importavam apenas com as coisas visíveis, as coisas grandes, as coisas "espirituais", mas ministravam, de formas práticas, o amor e a compaixão de Deus às pessoas esquecidas, desprezadas e rejeitadas.

Vamos praticar o verdadeiro jejum.

Iremos orar, jejuar, subir monte? Sim, tudo isso e mais! Precisamos "buscar ao Senhor até que venha e chova a justiça sobre vós"9. Precisamos gastar muito tempo na presença do Noivo, para que possamos estar sempre mais e mais cheios da Sua compaixão, Sua misericórdia e Seu amor.

Porém, precisamos, também, ser "cumpridores da palavra, e não somente ouvintes"10, deixando que a gloriosa presença de Deus flua através de nós, até que se cumpra a promessa do profeta Habacuque "Pois a terra se encherá do conhecimento da glória do Senhor, como as águas cobrem o mar"11. Precisamos ser os instrumentos, através dos quais, o amor do Senhor Jesus possa fluir até "estes seus pequeninos irmãos".


Pr Paul David Cull
www.avivamentoja.com


1 2 Coríntios 13:13 ou 14
2 Lucas 10:39
3 Lucas 10:41-42
4 Jó 23:12
5 Mateus 5:45
6 Romanos 5:5
7 Efésios 2:8 e 9
8 Gálatas 5:22
9 Oseias 10:12
10 Tiago 1:22
11 Habacuque 2:14

Citações da Bíblia da Edição Contemporânea de Almeida da Editora Vida.

Deixe seus comentários sobre esta matéria em nossa comunidade online.


Envie para um amigo      Última atualização desta página 28 de setembro de 2010, às 15h37