O Movimento Jesus (Jesus Movement ou Jesus People Movement) começou no ano de 1967 em Califórnia – EUA, e continuou até aproximadamente 1973. O movimento foi um avivamento focalizado principalmente nos adolescentes e jovens da "contra cultura" Norte-Americana que surgiu no fim da década de 1960.

A década de 60, e principalmente os anos de 1967 a 1969, foram anos de grandes mudanças sociais, nos Estados Unidos e no mundo. Numa matéria sobre o ano de 1968, lemos na Revista Época1:

Quarenta anos depois, 68 continua enigmático, estranho e ambíguo como um adolescente em crise existencial. Ele foi o ano da livre experimentação de drogas. Das garotas de minissaia. Do sexo sem culpa. Da pílula anticoncepcional. Do psicodelismo. Do movimento feminista. Da defesa dos direitos dos homossexuais. Do assassinato de Martin Luther King. Dos protestos contra a Guerra do Vietnã. Da revolta dos estudantes em Paris. Da Primavera de Praga. Da radicalização da luta estudantil e do recrudescimento da ditadura no Brasil Da tropicália do cinema marginal brasileiro, Foi, em suma, o ano do "êxtase da Historia", para citar uma frase do sociólogo francês Edgar Morin, um dos pensadores mais importantes do século XX. Foi um ano que, por seus excessos, marcou a humanidade...

Mas essa época marcou, também, o início de um avivamento significante, que até hoje influencia o Cristianismo. Como podemos ver na história dos avivamentos, tempos de transtornos sociais são oportunidades para verdadeiros despertamentos espirituais, e a década dos anos de 60 não foi nenhuma exceção a essa regra.

No seu livro "The Jesus People Moviment"2, David Di Sabatino explica os origens do movimento:

Embora o descontentamento social estava crescendo desde a morte de Presidente John F. Kennedy em 1963, foi em 1967 que a América do Norte começou a desmoronar. Sentimentos contra a guerra continuaram a crescer nos Estados Unidos com 400.000 manifestantes em Nova Iorque mostrando o seu desprezo marchando do Parque Central ao edifício das Nações Unidos. Manifestações contra o serviço militar obrigatório refletiram a dissensão difundida. Um estudo sobre drogas indicou que a experimentação com a maconha e LSD tinha dobrado no ano de 1966 a 1967. Apesar do ano ser anfitrião ao "verão do amor", 1967 foi a última celebração do movimento hippie antes das drogas mais pesadas levar as comunidades relativamente calmas para a violência...

Até o fim dos anos de 1960 os protestos calmos e a resistência não violenta tinham sido substituídos por meios mais voláteis da dissensão social que incluíam levantes raciais, desobediência civil, a violência e o assassinato político. Historiador Charles Kaiser fala que o ano 1968 marcou "o momento quando todos os impulsos de uma nação para violência, idealismo, diversidade, e desordem chegaram ao ponto máximo e produziram a maior possível esperança - e o pior desespero imaginável..."

Desafeiçoados e crescentemente alienados pelos desdobramentos na sociedade, muitos começaram a buscar assuntos religiosos mais profundos. No meio deste caos social, grupos evangelísticos informaram grandes sucessos em conversões e recrutamento. Atividades de ativistas estudantis desiludidos, hippies, ex-viciados, e adolescentes Cristãos que buscaram colocar a sua fé em ação foram todos levados por uma onda de entusiasmo, crendo que o Espírito de Deus tinha os reunido. Aqueles que participaram em evangelismo durante este tempo testemunharam que multidões enormes poderiam ser reunidas tocando um violão na esquina de a rua. Por causa da tremenda resposta para a mensagem de evangelho, este período marca o que alguns simpatizantes evangélicos dublaram uma "colheita de almas".

Edward Plowman, editor da revista "Christianity Today", descreveu o ambiente dentro da Igreja na época no livro "The Jesus Movement in America":3

Nossas igrejas experimentaram mudanças instáveis. Urbanização, prosperidade, mobilidade, televisão, e outros fatores já tinham alterado os padrões tradicionais. As polemicas sócio-políticas dos Anos Sessenta alcançaram muitos púlpitos, e abaixo-assinados foram distribuídos às portas de igrejas...
A condição geral era um de declínio. Somente os Metodista Unidos (United Methodists) perderam centenas de milhares de membros, e as estatísticas das outras denominações principais retrataram tendências desencorajadores semelhantes. As pessoas citaram muitas razões. Elas estavam enfadados com a políticas na igreja. Ou elas estavam entediadas com o mesmo ritual de formas inanimadas repetido semanalmente. Ou elas não estavam obtendo muita ajuda espiritual dos sermões. Elas disseram que se sentiam nenhum senso de comunhão genuíno, de membros que se preocupam um com o outro. A fé não parecia ter muita relevância depois do meio-dia no domingo. Assim, elas perguntaram se valia a pena? Centenas de jovens me falaram que eles foram desanimados pelo desassossego fervendo em volta de feudos pessoais nas suas igrejas...
Enquanto isso, um número crescente de nossos lares estavam desmoronando, e alguns de nós também. Na capa da Revista Time de 8 de abril, 1966 foi escrito a pergunta: "Será que Deus está morto?"
Durante todo o desassossego, muitos de nós perdemos o contato com nossos jovens. A imprensa chamou isto da "Racha entre as Gerações." Logo depois da marca mediana da década, nós descobrimos que uma mudança envolvendo um segmento considerável dos jovem tornou-se uma revolução completa. Estes jovens estavam seguindo líderes novos, honrando heróis novos, aderindo a causas novas, cantando slogans novos, vivendo através de códigos novos, ingerindo substâncias químicas novas, adorando deuses novos.

O movimento Jesus começou com "Coffee Houses" (cafés) que foram utilizados como meios de evangelismo dos hippies, e comunidades e casas de recuperação de viciados em drogas. O Estado de Califórnia foi o ponto da maior concentração dos hippies, e conseqüentemente o berço do movimento, porém este espalhou-se rapidamente pela América do Norte.

Pela maioria dos relatos, o "Jesus People Movement" (Movimento do Povo de Jesus) começou em 1967 dentro do Distrito Height-Ashbury de São Francisco. Nesta primeira fase, o conjunto de pioneiros independentes de hippies evangélicos foi chamado de "cristãos da rua" e "os evangelistas psicodélicos", só depois sendo chamado os "Jesus freaks" (Doidos para Jesus) ou o "Jesus People" (Povo de Jesus). Embora rotulado o "Jesus Movement" (Movimento Jesus) pela revista "Look" em fevereiro de 1971, o evento é melhor explicado como sendo um avivamento Cristão clássico que teve seu impacto mais profundo em vidas individuais e não na sociedade em geral.

Dentro de poucos anos, esse mover do Espírito Santo literalmente capturou e transformou milhares de jovens e adolescentes, rebeldes, alienados da sociedade, muitos dos quais eram usuários e viciados em drogas. As poucas igrejas se abriram as portas paras estes jovens experimentaram crescimento fenomenal, como no caso da Calvary Chapel, de Costa Mesa, Califórnia. Em seu livro "Colheita"4, o Pastor Chuck Smith contou o que aconteceu:

Estima-se que em um período de dois anos, em meados dos anos 70, a Calvary Chapel de Costa Mesa realizou mais de oito mil batismos. Durante esse mesmo período, colaboramos para a realização de 20 mil conversões à fé cristã. Nossa taxa de crescimento por década foi calculada por especialistas que concluíram ser de dez mil por cento.
Talvez outro fator ainda mais surpreendente é que no início da Calvary Chapel em Costa Mesa, em 1965, havia apenas vinte e cinco pessoas no primeiro culto realizado no domingo de manhã.
Agora, coloque isso em perspectiva. Aquela igreja de vinte cinco membros não só estabeleceu mais de quinhentas igrejas filiais da Calvary Chapel por todo o mundo, mas também atingiu um grande número de pessoas que a consideram como sua igreja: mais de trinta e cinco mil! É listada em terceiro lugar com relação ao número de pessoas que freqüentam os cultos aos domingos (dentre as dez maiores igrejas dos Estados Unidos); e é a primeira entre as dez maiores igrejas protestantes da Califórnia.

Em junho de 1971 a revista "Time" publicou uma figura de Jesus na capa, com uma matéria sobre o movimento, parte da qual dizia:

Há um frescor matinal neste movimento, uma atmosfera flutuante de esperança e amor unido a um típico zelo rebelde. Alguns convertidos gostam de traduzir sua nova fé para a vida diária, como aqueles que atendem o telefone com 'Jesus ama você' e vez de 'alô'. Mas seu amor parece mais sincero que um slogan, mais profundo que os sentimentos de uma onda passageira... o que surpreende quem está de fora é o extraordinário senso de alegria que eles são capazes de comunicar...
Parte desta fascinação por Jesus entre os jovens pode ser simplesmente um culto tardio da personalidade de um companheiro rebelde, o primeiro mártir da causa da paz e fraternidade. Não é assim, porém, com a grande maioria do movimento de Jesus. Se há uma característica, que claramente os identifica, é sua crença total num Jesus Cristo terrível e sobrenatural, não apenas um homem maravilhoso que viveu há 2.000 anos, mas um Deus vivo que é tanto Salvador como Juiz. Suas vidas giram em torno da necessidade de um intenso relacionamento pessoal com este Jesus, e a crença de que tal relacionamento deve ser a condição de toda vida humana. Agem como se a intervenção divina guiasse cada momento de suas vidas e com a certeza de que pode resolver cada problema...
A revolução de Jesus rejeita não somente os valores materiais da América convencional, mas também a sabedoria dominante da teologia americana... O Cristianismo tem enfatizado - pelo menos - o tipo pregado nos púlpitos e seminários de prestígio nas últimas décadas - um Deus presente na natureza e no movimento social, não o Deus pessoal e transcendental do novo movimento, que vem para a terra na pessoa de Jesus, na vida de indivíduos, milagrosamente. A revolução de Jesus, em resumo, nega as virtudes das Cidade Secular e amontoa desprezo sobre a mensagem de que Deus sempre esteve morto."
(citado no livro "A Igreja do Século XX - a história que não foi contada"5 por John Walker)

Um dos mais famosos dos "pregadores hippies" foi Lonnie Frisbee, um se converteu aos 17 anos de idade. Poderosamente ungido, ele foi instrumental em trazer ao mover do Espírito a três denominações: a Calvary Chapel, a Vineyard e "Jesus People USA". Tragicamente - e existem versões divergentes sobre os fatos - Lonnie morreu de AIDS em 1993.

Mudanças socais e culturais nos Estados Unidos, e o desaparecimento da "hippie" contra-culturas, resultaram na assimilação dos frutos movimento Jesus no cristianismo evangélico. David Di Sabatino descreveu os efeitos do movimento no livro "The Jesus People Movement":

A influência do avivamento ainda está sendo sentida apesar de ter desvestido muita de sua aparência contra-cultural. Seus efeitos mais profundos e mais perceptíveis foram sentidos como um agente da renovação espiritual. Pelo menos quatro denominações novas - a Calvary Chapel, a Gospel Outreach, a Hope Chapel e o movimento Vineyard - traçam sua linhagem ao evento. A indústria da música cristã contemporânea (Contemporary Christian Music) comanda agora mais que oito por cento de todas as vendas na America do Norte, vendendo mais que a música clássica e jazz. Milhares de igrejas locais foram fundadas ou experimentaram renovação devido ao influxo de membros. Organizações para-eclesiásticas existentes, como a Cruzada Estudantil e Profissional para Cristo (Campus Crusade for Christ), Os Navegadores (The Navigators), a Mocidade para Cristo (Youth For Christ) e Jovens Com Uma Missão (Youth With a Mission), para nomear somente alguns, tiraram proveito do grande número de convertidos espirituais que foram canalizados em seus programas. A renovação igualmente gerou suas próprias organizações para-eclesiásticas, tais como Last Days Ministries, Christ is the Answer Ministries, and the Holy Ghost Repair Shop... Muitos dos aderentes de avivamento, alguns dos quais estão entrando agora em posições de autoridade dentro das organizações das igrejas, igualmente mencionam suas experiências espirituais formativas como sendo durante o movimento. A tremenda ênfase contemporânea na música da adoração e em práticas litúrgicas - emanando de grupos como Maranatha! Music, Vineyard Music Group, e Integrity Hosanna - traçam seus impulsos originais ao avivamento.


Pr Paul David Cull
www.avivamentoja.com

Na área de download deste site, temos um vídeo sobre o Movimento Jesus e o livro "Colheita" de Chuck Smith.


1 Revista Época, 7 janeiro de 2008, Copyright © 2008 - Editora Globo S/A
2 The Jesus People Movement - An Annotated Bibliography and General Resource, Second Edition por David Di Sabatino, 2004, Jester Media
3 The Jesus Movement in America (formerly The Underground Church) por Edward E. Plowman, 1971, David C. Cook Publishing Co.
4 Harvest por Chuck Smith, tradução em português do no site www.calvarychapel.com, disponível em nossa área de arquivos
5 A Igreja do Século XX - A História que Não Foi Contada, por John Walker e Outros, 2002, Editora Vida

Deixe seus comentários sobre esta matéria em nossa comunidade online.


Envie para um amigo      Última atualização desta página 13 de janeiro de 2013, às 05h05